A passagem da fralda ao bacio é um momento muito delicado para a criança e para os pais. Não existe uma idade específica para esta alteração: a criança deve ser física e psicologicamente madura para aprender a controlar os esfíncteres.

É também importante que os pais tenham o tempo necessário para acompanhar com calma e paciência a criança no seu percurso até à independência da fralda. É preciso ouvir a criança e observá-la enquanto toma consciência das sensações do seu corpo e da mudança por que está a passar.

Assim, a criança deve ser ouvida, encorajada, mas nunca forçada.

É possível adotar algumas medidas que facilitem a aquisição do hábito de usar o bacio.

  • Colocar a criança confortável: os pés devem estar apoiados no chão e os joelhos devem estar mais altos do que o rabinho, para favorecer a contração dos músculos abdominais. Se se utilizar o redutor de sanita, é importante que a criança possa apoiar os pés, num banco ou numa plataforma, porque as pernas não devem ficar penduradas.
  • Assegurar-se de que a criança esteja à vontade, prestando atenção à escolha da divisão ou do ambiente onde se posiciona o bacio.
  • Propor o uso do bacio de preferência após as refeições, de forma a aproveitar o reflexo intestinal associado ao enchimento do estômago (reflexo gastrocólico).
  • Ensinar à criança a não ter pressa evitando também que fique sentado no bacio durante demasiado tempo (não mais do que 10-15 minutos).
  • Ter paciência e encorajar os progressos: não se mostre impaciente ou incomodado em caso de insucesso ou se a criança sujar as cuequinhas (pequenas perdas de fezes são naturais em caso de enchimento excessivo do reto).